segunda-feira, 20 maio, 2024
InícioTributária e FiscalRio Grande do Sul comunica que voltará a cobrar o Difal para...

Rio Grande do Sul comunica que voltará a cobrar o Difal para não contribuinte em 1º de abril
R

O estado do Rio Grande do Sul comunicou na sexta-feira (11) que voltará a cobrar o Difal (Diferencial de Alíquota) do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para consumidor final não contribuinte a partir de 1º de abril de 2022.

Antes do Rio Grande do Sul, outros estados já haviam anunciado o retorno da cobrança do Difal para consumidor final não contribuinte, entre eles São Paulo e Minas Gerais. Como argumento, os estados citam a publicação da Lei Complementar nº 190/2022, que regulamentou a cobrança do Difal do ICMS.

Breve histórico

A regulamentação do Diferencial de Alíquotas atendeu a uma exigência do STF (Supremo Tribunal Federal), que proibiu a cobrança do Difal até que fosse criada uma lei, mas com efeitos a partir de 2022. Porém, consta no texto que a lei que regulamenta a cobrança do Difal só poderá ser aplicada após o prazo de 90 dias da data da sua publicação, situação conhecida no meio jurídico “como princípio da noventena”.

No entanto, de acordo com o princípio constitucional da anterioridade anual a que se sujeita o ICMS, os estados só poderiam cobrar o Difal em 2023. Mesmo assim, como vimos, muitos estados anunciaram que cobrarão o Difal antes de 2023.

É bom ressaltar que o tema em questão é de grande interesse do setor de e-Commerce [venda online]. Por conta disso, a pauta ficou conhecida como emenda do comércio eletrônico.

Decisão do STF sobre a cobrança do Difal do ICMS

O STF decidiu, em fevereiro de 2021, pela proibição da cobrança do Difal para consumidor final não contribuinte se não houvesse a publicação de uma Lei Complementar, porém, com validade a partir de janeiro de 2022.

Mas somente em dezembro o legislativo se articulou para regulamentar o Difal e o texto seguiu para sanção presidencial. No entanto, como a lei foi publicada depois de 31 de dezembro de 2021, está sujeita ao princípio constitucional da anterioridade anual.

ADIs antagônicas retornam o tema para o STF

Após a publicação da lei que regulamentou o Difal, o STF já recebeu duas ADIs (Ações Diretas de Inconstitucionalidade) sobre o tema, porém, antagônicas. No dia 14 de janeiro, a Abimaq (Associação Brasileira de Indústria de Máquinas) entrou com ação (ADI 7066) com pedido de suspensão imediata da cobrança do Difal até 2023.

Por outro lado, o governador de Alagoas, Renan Calheiros Filho (MDB), entrou com a ADI 7070, em 21 de janeiro, pedindo a cobrança do Difal desde a publicação da Lei Complementar nº 190/2022.

Como vimos, há muitos desdobramentos sobre o tema e dúvidas não faltam. Pensando nisso, preparamos um especial sobre Difal, disponível no IOB Online. Clique aqui e fique por dentro de tudo!

 

Matérias relacionadas

spot_img

Mais lidas